obras dos curadories

para uma melhor fruição, dê o </play>

isolation1.jpg

 eu estou fazendo

o melhor

que eu posso 

</poesia digital;>

{2020}

Larissa

Pujals

[ reminiscências de um mundo  

aquele sentimento no meio de uma madrugada em que as únicas luzes são em tecnicolor

olhos cansados 

veias da interweb não sustentam o corpo

o paradoxo da isolação e conectividade

esquecer quem eu era

inventar uma persona, esquecer a persona

lembrar quem eu era

e esquecer novamente

perdida em um mundo que não tem mapa

mãe, por favor acredite

eu estou fazendo o melhor que eu posso ]

crisis empírica

 

</apropriação, fotografia e GIF;>

{2020}

carnedecobra

[nunca andamos por um lugar que fosse tão nosso como esse agora o é, no mesmo passo em que nunca fomos tão navegados por um oblíquo enredamento que curiosamente nos contém. um grande olho foi aberto uma vez e por milhares de outros seguido em sequência num interminável esquema de ver, mostrar e ser visto. não mais as frases terminam no ponto ou silêncio, sempre havendo algo sendo informacionado e comunicado a partir dos biorastros impressos na interface virtual que reveste o que se percebe e experiencia como real. seres do simbólico habituados ao invisível perdidos na nova dimensão do espaço em uma busca emergente conforme tudo se expande, se contrai e nada é por muito tempo.]

topografias bio | finitas

 

</fotografia e intervenção digital;>

{2020}

Cendretti

[a pele como limite. um caminho biotécnico, seguindo linhas/paisagens, um estudo subjetivo do caos, códigos da fronteira, mapeando as superfícies termais de enérgica singularidade, adestrando a supersimetria sensível às condições iniciais. partículas fundamentais numa atividade oracular, um mapa. intuição metodológica para o seguir, numa redução/expansão transcendental, coexistindo côncava na profecia invariável, onde o tempo é destilado em linha - ponto que se desloca no espaço - instrumento vital {carpo, meta.carpo e falanges} mapa de pulsões e devires. ]